Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dramas de Primeiro Mundo

Dramas de Primeiro Mundo

07.Out.14

The Positive?

Diana M.
Sabem aquela frase dos Monty Python "always look on the bright side of life"? Então, uma das coisas positivas deste ataque de ansiedade dos últimos dias: ter perdido a maior parte da barriga que tinha e ter-me aproximado do meu peso ideal. Não, não é das melhores formas de perder peso, mas aconteceu. Let's just enjoy it.
03.Out.14

Compras

Diana M.
Porque resolvi comprar uns miminhos. Afinal começou o ano lectivo e uma pessoa precisa de material escolar e outras coisas não tão escolares *cof* *cof*


Um caderno à laia de Moleskine, mas a mais de metade do preço, para as minhas aulas. E o outro mais divertido para os meus apontamentos da tese.


E comprei um verniz. Oh My God! Comprei um verniz!!! Sempre roí as unhas. Desde pequenina, mesmo. Em estados de ansiedade e nervosismo maior vai unhas, vai pele, vai tudo. Mas como me tenho andado a portar bem, e só tenho uma unha meio ranhosa, resolvi comprar um verniz nesta cor que não é muito chamativa, para ir aos treinos. E aquele lápis é um lápis de lábios. Agora ando numa de lápis de lábios, desde que comprei o da The Body Shop e adorei o efeito. Este é assim de uma cor natural, tipo "my lips but better".
02.Out.14

Estratégia para a próxima semana

Diana M.
Como a próxima semana é provável que a passe com algumas crises de ansiedade, um dos meus truques é planear algumas coisas para mim, de forma a não achar que a minha vida é um vazio, e para me obrigar a manter-me ocupada, por mais vazias de conteúdo as actividades possam ser. O objectivo é manter a cabeça ocupada com outras coisas e fazer com que as horas passem mais depressa. Então vejamos:


1. Ler os textos da primeira aula (que faltei) do seminário do doutoramento
2. Ver Theory of the Big Bang que dá tudo de enfiada a partir das 18h, no AXN White - e rir faz bem e relaxa imenso
3. Ver o Factor X - porque é um programa que vai servir só para distrair o meu cérebro, para que ele não pense em coisas parvas
4. Ler os textos para a próxima aula do seminário do doutoramento
5. Continuar a leitura de Os Três Mosqueteiros
6. Ver o último episódio de Outlander
7. Forçar-me a sair de casa e a ir ver o Gone Girl ao cinema / passear / ir à faculdade
8. Forçar-me MESMO a sair de casa porque tenho uma aula na 5a feira...
9. Limpar a casa toda antes de os pais voltarem (porque convém...)
10. Vai repetir o Pulp Fiction na tv e eu quero ver (Fox Movies, dia 9 à noite, e dia 10 às 13h30)
11. Tenho cá uma carrada de filmes para ver, por isso é pôr a lista em dia

E por agora é disto que me lembrei. É importante manter listas destas para me manter organizada e sem a sensação de que não tenho nada para fazer. Porque o meu cérebro entra em parafuso e depois não se lembra de metade das coisas que quero e preciso fazer.

Mas vamos rezar para que a ansiedade não apareça, não dê o ar da sua graça, apesar destes últimos dias, sim?
01.Out.14

Ansiedade

Diana M.
Não estou, decididamente, habituada a ter ataques de ansiedade.
Ou seja, estou. Mas há tanto tempo que não tinha um (há anos, really, nem no dia da defesa da minha tese, no ano passado, nem quando tive que apresentar uma comunicação numa conferência, há dois anos) que já não estou habituada.

Correndo o risco de parecer "mariquinhas", está-me a dar isto porque os meus pais vão passar uma semana fora, na terra dos meus avós, no Alentejo. As vezes que eles já fizeram isto e não me aconteceu nada. As vezes que eles foram e eu feliz da vida com a casa só para mim, sem problemas nenhuns. Desta vez tinha que me dar o badagaio. Julgo que, por causa do stress das últimas semanas provocado pelas confusões na faculdade, o meu sistema nervoso esteja em baixo e agora se esteja a ressentir assim. 

Há uns dias estava com a tensão alta e com as pulsações super aceleradas - eu que nunca tive tensão alta. Já me doem os maxilares de estar constantemente a contraí-los, involuntariamente. Não passam dois dias sem me dar a volta à barriga. Noites dormidas só até às 5h ou 6h da manhã. Sensação de nervos em franja, em que à mínima coisa me apetece desatar numa choradeira. A sensação de estar sozinha sem poder contar com ninguém. E apesar de saber que esta última não é verdade, é assim que sinto. E a sensação de perda de controlo. De querer ficar fechada em casa, dormir até que isto passe.

Já disse que eles ainda nem sequer se foram embora? Imaginem quando forem.
01.Out.14

Try

Diana M.
Where there is desire there is gonna be a flame
Where there is a flame someone's about to get burned
But just because it burns, doesn't mean you're gonna die
You gotta get up and try, try, try

- Pink

Pág. 2/2